Arquivo da tag: Claudete Terezinha da Mata

Encontro 7 – Estudo – Escrita Criativa

 

RELATO DA OFICINA LITERÁRIA BOCA DE LEÃO

28 DE JUNHO DE 2016

LOGO BOCA DE LEÃO JGP(P)

Arte: Lucas Prisco Puga

No dia 28 de julho de 2016 os participantes da Oficina Literária Boca de Leão (OLBL) reunem-se no auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC) para iniciar a conversa sobre Contos. Diante da presença de novos participantes da Oficina, o Coordenador Evandro Jair Duarte faz um resumo do que é a OLBL em 2016 e o objetivo dela. Narra com brevidade o que aconteceu desde a abertura do projeto no dia 29 de março. Relata que com a Escrita Criativa a proposta central era o desenvolvimento da escrita por meio de estímulos para exercícios práticos. Lembra que foi utilizado o livro de Natalie Goldberg – escrevendo com a alma – para muitos dos exercícios. Os participantes do encontro precisam ler o resultado da atividade solicitada por e-mail no dia 28 de julho de 2016.

 

Exercício: Sair de casa e em um ambiente qualquer, parar para observar o que acontece ao redor, fazer um texto a partir desta observação, a criatividade possibilita o criar de diversos textos.

 

O coordenador informa que o primeiro momento da Oficina com Escrita Criativa terminou e os certificados serão confeccionados para a entrega àqueles que participaram com 70% dos encontros e produziu textos. Todos os que estiverem dentro destes parâmetros serão avisados por e-mail.

 

Foi distribuído o Termo de Autorização do Uso da Imagem para a Divulgação dos Encontros da Oficina OLBL.

 

É informado aos presentes que o espaço do Blog da Oficina está disponível para todos os participantes e ex-participantes que queiram participar com a divulgação de seus escritos na mídia da Boca de Leão.

 

Evandro diz que todos podem contribuir com a entrega de suas ideias e conhecimentos para o enriquecimento das reuniões. Lembra que ao final dos encontros será solicitado um conto para compor um E-book, ficando como produto final da Oficina. Este será disponibilizado no site da BPSC. O primeiro E-book a ser lançado é o do período de 2012 a 2015, em que a ministração e coordenação ficou com a idealizadora do projeto Claudete Terezinha da Mata.

 

Claudete Terezinha da Mata informa que o interessante é que o volume 2 do E-book poderia ser a compilação da Oficina referente ao ano de 2016.

 

Diversas orientações foram dadas aos participantes, com relação à Oficina e a elaboração dos textos.

 

Perguntada sobre o NOME da Oficina, Claudete menciona que durante o Fórum do Livro e da Leitura nas dependências do Centro Integrado de Cultura (CIC) teve a ideia de criar um projeto para ser executado na BPSC. Período em que a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) solicitava ações que estivessem em torno do livro e da leitura, visando ser desenvolvidas as atividades na BPSC. O projeto foi escrito em curto espaço de tempo e apresentado à Administradora da Biblioteca para ser levado à Presidência da FCC e era preciso dar um nome para a Oficina. Primeiramente Claudete pensou na planta que tem o nome Boca de Leão, por causa da delicadeza desta planta. Depois pensou na figura do Leão e sua representação de força, garra e determinação em dominar seu território e espaço. Boca por ser pela boca que nos comunicamos, pela oralidade que nos expressamos, com a força da palavra, com a força do som de cada um que nos apresentamos e nos fortalecemos.

 

A proponente do projeto da Oficina menciona que o objetivo é exercitar, compartilhar e dialogar entre pares da escrita. Fala que é importante o escritor escrever, reler, pensar, realizar edição, cuidar dos textos para futuramente publicar e divulgar suas histórias. Declara que Evandro fica como representante dela na continuação do projeto OLBL com a Atividade Permanente na BPSC. Narra que a Oficina começou com o estudo e a escrita de contos. Lembra que um dos objetivos da Oficina é o aprender coletivo, não havendo um sujeito detentor do conhecimento e repassando apenas as informações, todos ensinam e todos aprendem. Relata que o Grupo iniciou com exercícios de escrita de contos de animais, depois: encantamento, assombração e infância.

 

Evandro faz uma introdução aos estudos de Contos, com apresentação do livro O QUE É CONTO de Luiza de Maria. Quem não lembra das histórias contadas em rodas ou em momentos familiares em que alguém tem a palavra e narra um fato, um acontecimento ou inventa algo? Temos na história uma personagem: Sherazade que para não morrer contou muitas histórias. Quem conta um conto, aumenta um ponto!(?).

 

Norma Bruno faz um relato de experiência com o seu neto e afirma que a nossa Vida é Literária. Norma perguntou ao seu neto: João Antônio, o que você vai ser quando crescer? – Ele respondeu: Gente! Norma afirma que isso é literário, que ao longo do tempo perdemos isso que foi expresso na fala do neto.

 

Você sabia que a avó de Norma Bruno virou borboleta? Sim, ela virou borboleta! Veja no link do Blog de Norma: https://normabruno.wordpress.com/2012/03/10/minha-bisavo-virou-borboleta/

 

Evandro lembra que durante os anos 70 o Sítio do Pica Pau Amarelo traz a Dona Benta como uma representante de narradora de contos no Brasil. Depois Emília contou muitas histórias também.

 

O conto como forma simples é um texto com a presença do maravilhoso, tem linguagem que narra feitos fantásticos; ele foi contado por gerações para chegar até nós.

 

Os participantes da OLBL compartilham que uma história tem um ponto de partida e um ponto de chegada, só que de um ponto a outro é preciso acontecer algo. Mencionam A JORNADA DO HERÓI de Joseph Campbell. Sobre esta jornada eu trago um texto do Blog Viver de Blog para compartilhar com vocês: http://viverdeblog.com/jornada-do-heroi/.

 

Claudete toma a palavra para realizar uma atividade de inspiração dos participantes para escrever um texto. Ela pede que todos, fiquem bem acomodados nas cadeiras, deixem papel e caneta perto das mãos e fechem os olhos. Canta uma canção sobre uma avó que contava histórias para os netos, ela toca um apito para provocar os sentidos dos oficineiros. Este foi o elemento inspirador para a escrita do dia. Durante 15 minutos todos tiveram a oportunidade de escrever o que veio à mente. Termina o exercício com o fim da canção.

 

O tempo é aberto para a socialização das produções de quem desejar ler o que escreveu.

 

Pedro lê o texto e percebemos uma certa brincadeira com personagens, o próprio texto, com as palavras repetidas e com o tempo cronológico.

 

Norma Bruno emocionada lê o que escreveu, um texto com brincadeira de repetição do início dos contos de fadas: “Era uma vez”.

 

Idê Bitencourt compartilha o texto. Uma cena bucólica ambientada na fazenda, em que uma caneca é preenchida com leite tirado direto da vaca para o café da manhã. Nada mais é do que uma cena do que a menina faz todos os dias na fazenda.

 

Marcelo Aguiar é novato na turma e escreveu um texto brincando com o silêncio, madrugada, aflição, despertar e canto das Aracuãs. O texto tem tom poético e evoca uma imagem bem forte e um cenário das cores.

 

Carol Paim escreveu sobre asas e o vento passando por elas, narra um voo alto e uma grande queda, a saída de um transe.

 

Marina de Souza lê o seu texto, que é sobre uma memória despertada pelo apito de Claudete. Primeiro diz que o som poderia ser de uma panela de pressão, depois pensou em um passarinho, o som era o barulho de um trem que a personagem precisava pegar para ir à casa da avó. Texto realista com retratos da vida.

 

Patricia Peccin socializa o texto sobre um pássaro que voa em busca do amor perdido e não o encontra, quando o encontra há um desfecho que não posso revelar (hi hi hi).

 

Claudete lê o texto de Luiza Abnara Dias “A Pata Felícia” que uma criança escreveu no primeiro ano da Oficina. Um texto lindo e gostoso de ouvir. Luiza narra em espetáculos de contação de histórias.

 

Pedro traz um livro do autor Paulino Junior, com o título: TODO MALDITO SANTO DIA, para sorteio na Oficina.

 

Patrícia Peccin menciona o filme MAIS ESTRANHO QUE A FICÇÃO como forma de inspiração para a escrita.

 

A conversa fica aberta e passamos a discutir temas polêmicos como sexo, morte, violência, entre outros.

 

Evandro compartilha que há um livro chamado A CONTADORA DE FILMES.

 

Evandro informa que no próximo encontro o escritor Gilmar Milezzi estará presente e compartilhará sobre suas obras e a experiência de escrever e publicar. A avaliação da Oficina e a Escrita Criativa foi realizada e em breve o resultado será divulgado.

 

O sorteio do livro deixado por Pedro foi feito e quem ganhou foi a Idê Bitencourt.

IMG_20160629_160030

Foto: Carol Paim.

Participantes e convidados:

Evandro Jair Duarte – Coordenador

Claudete Terezinha da Mata – Idealizadora da Oficina Literária

Marcelo Luiz Aguiar

Murian Ventura Aguiar

Caroline Paim Müller

Norma Bruno

Príncia Béli

Patricia Peccin

Patrícia Núbia Duarte

Marina H. U. de Souza

Pedro Machado Carneiro

Idê Maria Bitencourt Beck

 

Texto escrito por Evandro Jair Duarte

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Contos, Escrita criativa

Encontro 4 – Estudo – Escrita criativa

RELATO DA OFICINA LITERÁRIA BOCA DE LEÃO

17 DE MAIO DE 2016

 

LOGO BOCA DE LEÃO JGP(P)

Arte: Lucas Prisco Puga

No dia 17 de maio de 2016 a Oficina Literária Boca de Leão iniciou a atividade com a socialização de alguns textos produzidos em casa. Na sequência, o grupo conversou sobre as propostas de Natalie Goldberg em seu livro “Escrevendo com a alma: liberte o escritor que há em você”.

Natalie comenta sobre a compostagem de afirma que “A consciência leva um certo tempo para filtrar as experiências”. Assim, ela orienta a fazer uma pausa com o objeto a ser trabalhado, menciona que é necessário conhecer mais sobre ele e assim incorporar mais dados sobre o que se busca escrever. Ainda nos provoca a realizar um exercício de vasculhar a memória em busca de fatos para o exercício, treinar a escrita, respeitando o tempo de cada um, mas com treino freqüente.

Lista de tópicos é um excelente recurso para o estímulo a criação de textos. Natalie diz:

Ás vezes nos sentamos para escrever e não conseguimos pensar em absolutamente nada para dizer. O papel em branco nos intimida.

Com as listas prontas podemos ter a inspiração ou ponto de partida para evitar o medo do papel em branco. Assim, anote as ideias que surgem, tópicos com temas, assuntos… anote lembranças… no entanto, Natalie nos propõem a uma mudança de atitude ou hábito para a prática de escrever, segundo ela, é preciso: separar uma parte do dia para isso; sentar e escrever; escolher um tópico da lista; deixar a imaginação e criatividade fluir; manter a mão em movimento e escrever sem a preocupação em arrumar palavras ou ideia. Isso, nós fazemos depois.

Um aviso da autora: para sermos profundos, verdadeiros, sinceros e detalhistas.

Na sequência, nós socializamos um texto produzido em casa e comentamos sobre a experiência de escrever e de ouvir. Sobre o que cada texto nos remeteu. Foi um exercício bom de fazer e de compartilhar.

Claudete coordenou a atividade envolvendo um exercício proposto por Natalie Goldberg em seu livro e todos tiveram um tempo de 15 minutos para a escrita. Depois, alguns escritos foram lidos, compartilhados. A intenção é provocar os participantes a escrever e soltar a mão junto com a imaginação, sem medo de nada.

Um dos exercícios que gosto muito e está no livro de Natalie é este:

Procure lugares diferentes para escrever. Você pode ir até um café. Relato o que está acontecendo à sua volta.

Natalie Goldberg nos diz que é importante termos disciplina para escrever.

Agora tente você! Sim, você! É você! Você mesmo! Isso, você que leu este post. Faça o exercício descrito acima e nos diga o que achou e como foi a experiência. Aguardamos um retorno.

 

Participantes presentes:

Evandro Jair Duarte

Murilo Augusto Kurz

Pati Peccin

Isadora Diniz dos Santos

Pedro Mac

Caroline Paim Müller

Claudete Terezinha da Mata

Evelyn K Dodl

Luiza Horbach Dodl

Evelyn Jeissi da Silva

Idê Maria Bitencourt Beck

Marina Hadlich Uliano de Souza

Patrícia Núbia Duarte

 

Texto escrito por Evandro Jair Duarte

Deixe um comentário

Arquivado em Escrita criativa

Encontro 1 – Abertura

Abertura da Oficina Literária Boca de Leão – 2016

OFICINA LITERÁRIA BOCA DE LEÃO (OLBL)

Supervisão: Claudete Terezinha da Mata

Coordenação e ministração: Evandro Jair Duarte (BPSC)

 

A Oficina Literária Boca de Leão (OLBL) foi criada em 24 de julho de 2012 por Claudete Terezinha da Mata e teve o apoio da Fundação Catarinense de Cultura (FCC).  Esta foi uma ação voltada ao público em geral, ou seja, para todos aqueles que desejam escrever textos criativos e literários. Como propósito a OLBL visou, ao final do curso, promover a elaboração de uma coletânea literária para socializar o conhecimento produzido na oficina; teve a iniciativa de trabalhar a literatura para incentivar os primeiros passos na arte de escrever e para que não se percam os talentos revelados. Foi um laboratório em que todos aprendiam e ensinavam na construção do conhecimento, de modo colaborativo também. Os participantes puderam ter quatro horas/aula mensais para ler e produzir contos. Os objetivos foram: desenvolver a criatividade, utilizando recursos próprios de textos poéticos; despertar o gosto pelos contos e demais textos literários; explorar as infinitas possibilidades sugeridas pelas palavras lidas e ouvidas, para o desenvolvimento da sensibilidade estética e desenvolver a habilidade de interpretar textos literários, que organizados terão por culminância, um espaço para Recital Literário. Os encontros foram quinzenais, a partir do dia 24 de julho, às terças-feiras, das 19h às 21h, no auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC). Muitas histórias foram criadas e contadas em sessão de “contação de histórias” da Biblioteca, em visitas guiadas e datas comemorativas; assim como, em escolas próximas. O projeto foi reapresentado à BPSC e à FCC para receber a aprovação de sua continuidade a partir de 2016, como “Atividade Permanente” da BPSC. Sendo coordenada e avaliada por funcionários da BPSC e FCC (se necessário). Os ministrantes podem ser convidados pela instituição (FCC), mas a coordenação passa a ser de responsabilidade da BPSC, que irá inserir em seu quadro de funções esta ação. Trata-se de uma ação que visa integrar a comunidade com a BPSC para promover o gosto pela escrita e pela leitura, tendo em vista que para escrever é preciso ler. Assim, a OLBL propõe ser uma atividade aberta ao público da comunidade na qual a BPSC está inserida. Para tanto, será necessária a inscrição no projeto, visto que para se ter qualidade é preciso ter um número que a coordenação possa controlar os processos criativos. Os encontros serão dois a cada mês, sendo reuniões quinzenais no auditório da BPSC, nas terças-feiras das 19h às 21h; um dos encontros será especialmente para que, em datas previamente marcadas, aconteça a participação de autores e booktubers (parceiros promotores do livro e da leitura), com o objetivo de realizar conversas com os participantes e incentivá-los a ler e escrever. Para os encontros será necessária a disponibilidade de um Datashow, com caixa de som, para possibilitar a reprodução de slides e vídeos.

A contrapartida da OLBL para a BPSC é a produção de um único conto com cessão de direitos autorais para a FCC, assim poderá ser solicitado à Biblioteca Nacional a publicação de um e-book com o material resultante da OLBL. Dessa feita, teremos uma construção conjunta de um livro digital a ser colocado em espaço aberto para download gratuito. O site da BPSC poderá hospedar o link do e-book. Apresentada a proposta e aceita pela Presidência da FCC e Administração da BPSC.

Apresentado o projeto à Administradora da BPSC, Patrícia Karla Firmino, e na sequência, para a Presidente da FCC, Maria Teresinha Debatin, ele foi aprovado e os coordenadores solicitaram à Assessoria de Comunicação que fizessem a divulgação da OLBL no site e nas agendas de ação cultural promovidas pela FCC. Assim, no dia 7 de Março iniciaram as inscrições e encerraram em 18 de Março de 2016. Neste curto espaço de tempo de 11 dias as vagas foram preenchidas e a coordenação resolveu expandir as 20 vagas iniciais para 35 vagas, devido à procura.

LOGO BOCA DE LEÃO JGP(P)

Arte: Lucas Prisco Puga (2016).

 

No dia 29 de março de 2016, o Projeto da Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC) intitulado “Oficina Literária Boca de Leão” (OLBL) foi apresentado aos participantes no o primeiro encontro, com início às 19h no auditório da Biblioteca. Os coordenadores Evandro Jair Duarte e Claudete apresentaram o projeto aos 23 presentes dos 35 inscritos.

Claudete fez sua apresentação pessoal e mencionou como a ideia da criação da oficina surgiu, fez um resumo da participação dos primeiros integrantes e das produções realizadas na OLBL e da doação de seu projeto pessoal para a BPSC, para que a coordenação e execução seja desenvolvida por um dos funcionários da casa e equipe.

Albertina Saudade Fonseca é uma das participantes do primeiro formato da OLBL e recebeu a fala para socializar com os novos inscritos de sua experiência, que na oportunidade leu um conto de sua autoria. Conto este iniciado nos encontros, passando a ser trabalhado para lapidar em casa.

Evandro mencionou sua participação e envolvimento com a OLBL desde a sua criação e primeiros encontros, que agora passa a ser um dos coordenadores.

Feitas as apresentações devidas, foi esclarecido que a oficina é gratuita e terá 16 encontros com duração máxima de duas horas, com início às 19h e término às 21h. A proposta da OLBL é a do exercício de escrita criativa e de contos. Para a execução do projeto será necessário ler e explorar autores da literatura catarinense, nacionais e estrangeiros.

Os coordenadores evidenciaram a compilação e criação de um e-book para tornar disponível no site da FCC ou BPSC com download gratuito, um produto final da oficina. Serão colhidos os termos de concessão de direitos autorais para esta permissão, da disponibilização do e-book em espaço aberto a todos aqueles que queiram ler os contos produzidos. Cada participante colabora com a escrita de um único conto para este projeto de e-book, sendo permitido o uso dos contos por seus autores em formação de livros individuais, utilização em blogs, entre outras possibilidades.

Ficou claro de ser o aprendizado coletivo, todos ensinam e todos aprendem, assim ocorrerá estudos sobre escrita e leitura, com uso de textos e a consequente produção textual. Haverá espaços na oficina para leitura de textos e comentários dos participantes sobre estes e divulgação dos livros de cabeceira de cada um. Dos exercícios de escrita decorrerá a socialização para o grande grupo generosamente tecer comentários, apreciações e sugestões.

Quatro encontros com escritores catarinenses estão agendados e com um booktubers, estas participações permitirão a visitação de pessoas de fora da oficina, como convidados. As vagas são limitadas, assim teremos mais 30 vagas nos dias dos encontros com escritores.

Uma avaliação por parte dos inscritos na oficina acontecerá, para que os coordenadores, assim como a BPSC e FCC possam pensar e repensar a OLBL para as próximas edições. Com a entrega dos contos para a formação do e-book será iniciado o trabalho para este fim e com entrega ao público no dia do encerramento em novembro. Haverá certificação e coquetel para a finalização da oficina.

 

Abertura da Oficina Literária Boca de Leão

received_10154119199271600

Foto: Albertina Saudade Fonseca.

 

Dentre os membros participantes temos as seguintes ocupações: estudante, professor, assistente social, advogada, servidora pública, ilustradora, cientista social, secretária, operadora de call center, jornalista, bacharel em letras francês, psicóloga, professora de teatro, tradutora, analista de sistema, cineasta e coordenadora pedagógica. Um grupo heterogêneo e empolgado com a oportunidade de escrever e socializar suas produções.

Questionados sobre quais são os interesses deles, as respostas convergiram em: conhecer o processo de escrita; melhorar a produção textual; dedicação à escrita; aprender e discutir o escrever; novas possibilidades de escrita, ter novas ideias; exercitar a criatividade; trabalhar com a palavra; contribuir com o grupo; trocar ideias; desenvolver habilidades; adquirir conhecimentos; brincar com a palavra; dar asas à imaginação; conhecer pessoas que compartilham do mesmo desejo; discutir e desenvolver sensibilidade e valores estéticos; aprender; estes são alguns fragmentos dentre outras tantas afirmações.

Um relato descrito na ficha de inscrição foi lido na íntegra por chamar a atenção do coordenador e perceber que a pessoa fez o comentário em forma de texto literário. Segue a descrição: “Lembro-me do primeiro livro que li na vida, ainda muito criança. Chamava-se “O cachorrinho samba”, tinha uma capa vermelha e o desenho de um cão branco com manchas marrons. Este foi o início de uma relação de amor com os livros. Aos poucos, minha estante crescia. Cheia de contos de fadas, histórias infantis, livros do Monteiro Lobato. Todo fim de tarde saía de casa e caminhava dez quadras até a banca de revistas, onde dava muito lucro aos donos levando revistas e gibis. Lembro-me então quando pela primeira vez, na quinta série, a professora perguntou para cada aluno o que gostaria de ser quando crescer. Eu respondi que queria ser escritora. E passei a ter a caneta e o papel como grandes companheiros. Gosto mais ainda de mergulhar nos versos de Manuel Bandeira e Cecília Meirelles, meus poetas favoritos. Ainda sou mais movida pela inspiração do que pela técnica. “Faço versos como quem chora”. Quando cheguei na época do vestibular, optei por um curso que me exigia escrever. Cursei Jornalismo na Universidade Federal do Paraná, e atualmente faço Mestrado em Jornalismo na UFSC. Trabalho com jornalismo televisivo, e já escrevi também matérias para online e impresso. Sou apaixonada por Jornalismo Literário, e procuro sempre utilizar estas técnicas nas minhas matérias. Mas meu sonho de infância ainda persiste. Escrever é vital, atividade que me completa, me emociona. Com a Oficina, desejo mergulhar mais no ramo da Literatura e desenvolver técnicas necessárias para aprender e melhorar minha escrita”.

Ao fim da abertura, Evandro deu a palavra para cada inscrito se apresentar e em seguida foi a vez de Claudete realizar uma atividade com o grupo, ela pegou um elemento inspirador e explicou como iria ocorrer o exercício de escrita que viria na sequência. Assim, ela e passou o objeto para que cada participante pudesse segurar, pensar e buscar a inspiração com o intuito de construir um texto nos minutos finais da Oficina. O objeto foi este da foto.

Objeto inspirador

IMG_20160403_152601

Foto: Evandro Jair Duarte

Quando o tempo terminou, houve a oportunidade para que duas pessoas de livre e espontânea vontade pudessem ler o texto que surgiu desta inspiração. Foram dois textos diversos e realmente inspiradores; repletos de beleza, sensibilidade e criatividade. O primeiro encontro foi rápido e de apresentações. Os participantes receberão e-mail com o texto a ser lido em casa para a discussão no próximo encontro que será dia 19 de abril de 2016.

 

Estavam presentes:

2012-2014

1 – Evandro Jair Duarte

2 – Claudete Terezinha da Mata

3 – Albertina Saudade Fonseca

4 – Idê Bitencourt

2016

5 – Aline Aparecida Brazão

6 – Ana Claudia Mocelin

7 – Carmelo Oliveira Cañas

8 – Caroline Müller Liomar Regina Arouca

9 – Claudia Beatriz Beckerman Kurjuan

10 – Evelyn Jeissi da Silva

11 – Evelyn Koerich Dodl

12 – Isadora Diniz

13 – Ketryn Suzanny Alves

14 – Laís de Fátima Silveira Brazão Faria Souza

15 – Laís Eloá Pelegrinello

16 – Luiza Horbach Dodl

17 – Maéve Fernanda Kuhnen Soares

18 – Marcela Cristina Zimolo Varasquim

19 – Marianne Oliveira Ternes

20 – Marina Hadlich Uliano de Souza

21 – Murilo Augusto Kurz

22 – Rute Miriam Albuquerque

23 – Vanessa Souza Correa Hussein

Horário: das19h às 21h

Local: Auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina

Contato – Evandro Jair Duarte (48) 36656429 ou 36656431

E-mail: evandroduarte@fcc.sc.gov.br ou dujaev@gmail.com

 

Texto escrito por Evandro Jair Duarte

2 Comentários

Arquivado em Primeiras reuniões

2012 – Primeiro encontro da Oficina Literária Boca de Leão

ATA – REUNIÃO DE ABERTURA DA OFICINA LITERÁRIA BOCA DE LEÃO – 24-07-2012

Aos vinte e quatro dias de julho de dois mil e doze, no auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina, reuniram-se pessoas interessadas em fazer parte integrante da Oficina Literária Boca de Leão, para conhecerem o programa apresentado pela ministrante e coordenadora Claudete Terezinha da Mata, cuja apresentação aconteceu com recursos tecnológicos através de slides com o conteúdo programático da oficina, que acontecerá no segundo semestre de dois mil e doze. No intervalo da apresentação, a escritora e parceira neste projeto, Dora Duarte fez um depoimento de complemento ao que ouviu e viu sobre o projeto; em seguida a coordenadora fez duas narrativas cênicas, intercaladas às suas falas, utilizando elementos mágicos, como: máscara, pandeiro meia lua e um chapéu cinza, com os quais interpretou partes dos contos, sendo esses: “Por que há tantas estrelas no céu?”, uma releitura do conto de Leonardo Boff; “Velho João: o filho da bruxa”, de autoria da ministrante coordenadora Claudete Terezinha da Mata. Em cena, no primeiro conto foram interpretadas as falas do índio Carajá, da raposa e do urubu-rei; no segundo conto foram interpretadas cenas da vassoura bruxólica e da bruxa mãe do velho João, sendo fotografadas partes dos dois contos cênicos, um gênero muito utilizado nos dias atuais, pelos contadores de histórias com objetos de animação. Nessa primeira reunião não foi possível apresentar todo o programa, ficando a parte que trata dos tipos de contos e suas estruturas, para a próxima reunião que acontecerá no dia sete de agosto, às dezenove horas, horário elegido pelo grande grupo. Em atendimento à solicitação do grupo, todos os conteúdos apresentados nas reuniões, serão colocados no “Blog da Oficina Literária Boca de Leão”, para leitura e pesquisa do público interessado, quando também será feito um Facebook da oficina. Também ficou combinado, em grupo, que todos efetuarão suas inscrições no dia sete de agosto, para que possam receber seus certificados pela Fundação Catarinense de Cultura, no final do semestre a ministrante e coordenadora se comprometeu em se reunir com o coordenador Evandro Jair Duarte, para as devidas providências. Com o adiantar do horário da reunião, a coordenadora faz a introdução de uma melodia de abertura das reuniões (“Todos contam histórias”, de autoria do compositor chileno e contador de histórias, “Pollo”), mais outra melodia (Para escrever e contar) criada por Claudete Terezinha da Mata, a qual servirá para o fechamento das reuniões, com a técnica do abraço coletivo, para o cultivo da harmonização em grupo. Ficou estampado no semblante de todos, a surpresa e o acolhimento de todos nesse fechamento, onde todos ao se abraçarem, pareciam-se mais familiarizados e bem diferentes da maneira como chegaram à  reunião.

Texto escrito por Claudete Terezinha da Mata

3 Comentários

Arquivado em Primeiras reuniões

2012 – Reunião de Organização da Oficina Literária Boca de Leão

ATA DA REUNIÃO DE EQUIPE DE COORDENAÇÃO

Ao quarto dia do mês de julho de 2012, a equipe de coordenação da “Oficina Literária Boca de Leão”, com a presença de Claudete Terezinha da Mata e de Evandro Jair Duarte, os quais efetuaram a correção do projeto para seu adequamento e futura praticidade. Após esse processo de correção, foi determinado o cronograma de atividades para o corrente ano. A temática a ser trabalhada e futuramente publicada, acontecerá dentro do universo infanto-juvenil. Também foram definidas as estratégias de divulgação e apoio para o programa. Para o momento inicial, a ministração ficará com Claudete Terezinha da Mata,  o apoio técnico de coordenação ficará com Evandro Jair Duarte, os quais marcaram o primeiro encontro para o dia vinte e quatro de julho, as dezoito horas e trinta minutos, no auditório da Biblioteca pública de Santa Catarina, para a apresentação do programa; determinando a hora inicial dos encontros, com duração de duas horas, com a proposta de apresentação seguida de dois contos a serem narrados pela coordenadora. Também será colocado à disposição do grande grupo, três horários para o início da oficina, sendo estes: dezoito horas; dezoito horas e trinta minutos e dezenove horas, com encontros quinzenais, nas terças-feiras. O cronograma dos encontros ficou assim: Dia 24 de julho; dias 07 e 21 de agosto; dias 04 e 18 de setembro; dias 02, 16 e 30 de outubro; dias 13 e 27 de novembro, com encerramento do semestre em 11 de dezembro de 2012. O próximo passo após correção, será a divulgação da oficina, com seu primeiro encontro em 24 de julho. Após esta primeira fase de divulgação, será realizada uma visita nas escolas da ilha, para o acolhimento do público infanto-juvenil que deseja entrar no universo literário, no papel de escritor. Sendo assim, através da coordenação e apoio técnico, após colocações em grupo, outros colaboradores serão inscritos em reuniões posteriores, em grande grupo da Oficina Literária Boca de Leão.

Post escrito por Claudete Terezinha da Mata

1 comentário

Arquivado em Primeiras reuniões

2012 – FCC é parceira em oficina literária na Biblioteca Pública de Santa Catarina

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), em parceria com a professora Claudete Terezinha da Mata, sob a coordenação de Evandro Jair Duarte, promove, a partir do dia 24 de julho a Oficina Literária Boca de Leão, voltada a estudantes de todos os graus de formação (do ensino fundamental à graduação) e para o público em geral, para todos que desejam escrever textos literários. A intenção, ao final do curso, é promover um concurso literário e socializar o conhecimento produzido por meio da edição de uma Antologia Literária, guardando para a posteridade os registros dos participantes e premiados.

Interessados devem se inscrever gratuitamente pelo e-mail: evandroduarte@fcc.sc.gov.br.

O projeto enfoca os aspectos da leitura, produção, recital e divulgação de produções literárias em grupo. A oficina literária surgiu da importância de divulgar produções literárias, inicialmente, trabalhadas poeticamente para contrapor ao mundo consumista ao qual a população está exposta a todo instante. Considerando ainda a gama deficiências detectadas hoje no ato de escrever, trabalhar literatura se torna fundamental para incentivar os primeiros passos na arte de escrever e para que não se percam os talentos revelados.

Os participantes irão, nas 4 horas/aula mensais, ler e produzir contos, poesia e prosa, emprega a linguagem conotativa e elementos rítmicos; analisar o efeito de sentido causado pelo uso de metáforas; sensibilizar-se para a emoção e a beleza da construção versos, prosas e poesias; refletir sobre a visão de mundo inerente nas produções literárias, bem como a especificidade da linguagem poética; propiciar condições para uma interação maior em grupo, utilizando-se, inicialmente, da arte poética. Os objetivos são desenvolver a criatividade, utilizando recursos próprios de textos poéticos; despertar o gosto pela poesia e demais textos literários (contos, crônicas…), os participantes reconhecerão nos escritos os diferentes meios de se expressar; explorar as infinitas possibilidades sugeridas pelas palavras lidas e ouvidas, para o desenvolvimento da sensibilidade estética e desenvolver a habilidade de interpretar textos literários, que organizados terão por culminância, um espaço para Recital Literário.

Os encontros serão quinzenal, a partir do dia 24 de julho, sempre às terças-feiras, no auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina.

Sobre a ministrante

Catarinense, nascida em Florianópolis, Claudete Terezinha da Mata é pedagoga, com especialização e Mestrado em Psicopedagogia Clínica e Institucional. Professora de Ensino Técnico para professores das séries iniciais/magistério, professora universitária colaboradora na Educação a Distância (Universidade Norte do Paraná); professora de cursos de capacitações pedagógicas pelo Senai, Univali e Unisul (1997 – 2003), com atuação participativa na implantação e implementação da proposta curricular da Educação Infantil do Estado de Santa Catarina; dos Conselhos Municipais da Criança e do Adolescente e Conselhos Municipais da Pessoa Idosa/SC. Prestou serviços em assessorias pedagógicas a órgãos públicos e privados, consultoria em elaborações de projetos e organização de seminários e conferências regionais, estaduais e nacionais dos direitos da pessoa idosa, Secretária Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa de Santa Catarina (2008 – 2010), sendo aposentada no referido cargo. Escreve contos, crônicas, poesias, roteiros e peças teatrais a partir de leituras do cotidiano e releituras de outros autores, com dedicação exclusiva às escrituras literárias, ao teatro e contação de histórias para todos os públicos. Processos iniciais de formação teatral pela Oficina Permanente de Teatro da UFSC, sob a direção de Carmem Fossari; foi integrante da Oficina Literária Letras no Jardim; do Grupo Teatral Boca de Siri (IFSC). É ainda fundadora e produtora do Grupo Teatral EXPRESSARTE: Bonecos em Movimento; bonequeira; ministrante de oficinas teatrais, teatro de bonecos com materiais recicláveis, arte em cerâmica e pedagógica. A presente bagagem de experiências vivenciadas e observadas nas leituras da vida cotidiana vem colaborar com a produção literária, por meio de oficina para público de todas as idades.

Sobre o coordenador:

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Especialista em Gestão da Informação e Inovações Tecnológicas pela Faculdade Internacional de Curitiba (FACINTER/IBPEX). Bibliotecário da Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC).

Serviço:
O quê: Oficina literária Boca de Leão

Onde: Auditório da Biblioteca Pública de Santa Catarina (Rua Tenente Silveira, 343 – Centro – Florianópolis)

Quando: a partir de 24 de julho, quinzenalmente, sempre às terças-feiras.

Inscrições: pelo e-mail evandroduarte@fcc.sc.gov.br

Informações: (48) 3028-8062

Participação gratuita

Link de notíca no site da Biblioteca Pública (FCC): http://www.biblioteca.sc.gov.br/index.php?mod=pagina&id=13565&grupo=300

Deixe um comentário

Arquivado em Primeiras reuniões